Menu



Salema

Nome Vulgar:
Salema
Nome Científico:
Sarpa salpa
Família:
Sparidae
Ordem:
Perciformes
Meio Ambiente:
Bentopelágico; oceanódromo
Profundidade:
5 a 70m máx.
Clima:
Temperado
Temperatura:
8 a 24ºC
Longevidade:
11 Anos
Comprimento:
30cm Comum
51cm Máx.
Alimentação:
Omnívora
Nativa Pen.Ibérica:
Sim

Salema Sarpa salpa
Salema
Identificar Salema Sarpa salpa
Sarpa salpa

Descrição

A denominação mais frequente é Salema. Este termo deriva do árabe hallama 'sonhador', baseado numa crença marroquina popular de que a carne deste peixe causa sonhos (Corominas e Pascual, 1980). A julgar pelos comentários depreciativos anteriores de nossos informantes, e parafraseando Barriuso (1986), é possível que esses sonhos se tornem pesadelos agonizantes. Comum nas costas portuguesas tanto no Inverno como na Primavera, pode atingir os cinquenta centímetros e mais de dois kilos. Ocorre em áreas tanto com substratos rochosos como arenosos, os jovens crescem em ambientes com muitas algas. Formam, por vezes, cardumes consideráveis. Como se alimenta, na sua fase adulta, principalmente de algas, tem um cheiro característico. É um peixe muito combativo o que, quando pescado, proporciona bons momentos de luta. Por ter uma boca pequena e dentes pequenos e muito cerrados torna muito difícil a sua captura. Há pescadores que, ao pescarem salemas mudam de local, outros porém, fazem pescarias quase exclusivas para esta espécie.

Distribuição Geográfica

Atlântico Oriental: desde o Golfo da Biscaia, Estreito de Gibraltar até à Serra Leoa, incluindo a Madeira, Ilhas Canárias e Cabo Verde; desde o Congo até à África do Sul. Ocorre também no Mar Mediterrâneo. Em Portugal, aparece perto da costa durante o Inverno e início da Primavera.

Alimentação

Os jovens alimentam-se sobretudo de crustáceos, os adultos são, quase exclusivamente, herbívoros.

Captura

boia tipo waggler
Bóia
waggler
Mar calmo, com pequena ondulação, águas claras são as condições ideais para as capturar. Quando numa pescaria normal se começam a perder muitos anzóis, é provável que algum cardume de salemas ande nas redondezas. Os seus dentes pequenos e cerrados cortam a linha com alguma facilidade; deve ser usado um anzol de haste longa para o evitar. Alguns pescadores, em vez do anzol longo, utilizam uma manga de silicone no topo da haste. Na pesca com bóia, devem ser usadas bóias tipo "waggler"(caneta) com o menor peso possível em função do estado do mar. A montagem deve permitir que o isco fique na parte inferior da coluna de água junto ao fundo. No caso de pesca com limo, ao colocar no anzol, molhar o limo para ficar peso e não se perder no lançamento. Ao ser capturado deve ser limpo de imediato e bem lavado com água do mar para perder o sabor e cheiro característico a lodo. Logo após a captura, deve ser sangrado fazendo um corte junto à barbatana caudal, a pele negra que reveste o interior da barriga deve ser totalmente removida.

Isco

A sardinha(tripa) e o camarão são iscos que usam todo o ano, no entanto, sendo um peixe herbívoro, o uso de "limo de baga", "limo verde" e mesmo casca de laranja, parecem ser iscos com resultados positivos. O isco varia muito com a altura do ano, experimentar é sempre uma boa opção.

Tamanho mínimo de captura : 18 cm.

Preparação

A maior parte dos pescadores, para comer este peixe, necessita que o cheiro característico a lodo desapareça. Um bom truque é esfregar muito bem o peixe com limão e lavar muito bem e várias vezes com água. Assado no forno parece ser o método preferencial para o confecionar.



No Verão pode ser tóxico se o exemplar ingerido se tiver alimentado de caulerpa prolifera(alga). Embora a toxicidade não seja facilmente alcançada, altas doses podem causar diarréias e náuseas.