Menu



Truta-de-Rio, Truta Fário, Truta Marisca

Nome Vulgar:
Truta Comum, fário
Nome Científico:
Salmo Trutta
Família:
Salmonidae
Ordem:
Salmoniformes
Meio Ambiente:
Estuarino; Anadromous
Profundidade:
0 - 28m
Clima:
Temperado
Temperatura:
5 a 15°C
Longevidade:
15 Anos
Comprimento:
140cm Máx.
Reprodução:
Primavera a Outono(Rio Lima)
Novembro a Janeiro(Espanha)
Alimentação:
Carnívoro Predador.
Nativa Pen.Ibérica:
Sim
Pesca Lúdica e Desportiva
Pesca Proibida,
Devolução Obrigatória
Livro Vermelho Portugal:
Criticamente em Perigol
Livro Rojo España:
En peligro crítico

Truta Rio, truta fário, truta marisca
Truta Marisca, Truta Fário
Salmo trutta
Salmo trutta


Origem

Europa e Ásia: bacias do Atlântico, Mar do Norte e Mar Báltico, da Espanha até a Baía de Chosha (Rússia). Encontrado na Islândia e nos rios mais setentrionais da Grã-Bretanha e Escandinávia. Na drenagem Rhône, nativa apenas da bacia do Lago Genebra, a qual entrou após a última glaciação. Nativo das drenagens do Danúbio e do Volga. Introduzida amplamente. Vários países relatam impacto ecológico adverso após a sua introdução.

Distribuição Geográfica

Apenas o Rio Lima e Minho apresentam alguns exemplares migradores.

Habitat

Após eclodirem os juvenis de truta-marisca permanecem um a dois anos em água doce. Findo este período sofrem um processo de "smoltificação" e migram para o mar, onde passam o período de crescimento e maturação. Quando atingem a maturação sexual regressam aos locais de nascimento para se reproduzirem, comportamento que se designa por "homing". Os locais preferenciais de reprodução situam-se em pequenos afluentes de características tipicamente salmonícolas: zonas de baixa profundidade com velocidades de corrente moderada e bem oxigenadas, ausência de poluição orgânica ou inorgânica, substratos de gravilha ou cascalho.

Alimentação

É uma espécie com uma dieta generalista, ingere as presas que descem o rio e, no mar, alimenta-se de crustáceos, poliquetas e outros peixes. No rio, as trutas alimentam-se de invertebrados bentônicos, insetos alados e indivíduos maiores podem capturar outros peixes (ciprinídeos ou outras trutas) e anfíbios.